quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

... Chegou o verão! ...



Chegou o verão!
(Luis Fernando Verissimo)




Verão também é sinônimo de pouca roupa e muito chifre, pouca cintura
e muita gordura, pouco trabalho e muita micose.

Verão é picolé de Kisuco no palito reciclado, é milho cozido na água
da torneira, é coco verde aberto pra comer a gosminha branca.

Verão é prisão de ventre de uma semana e pé inchado que não entra no
tênis.

Mas o principal ponto do verão é.... A praia!

Ah, como é bela a praia.

Os cachorros fazem cocô e as crianças pegam pra fazer coleção.

Os casais jogam frescobol e acertam a bolinha na cabeça das véias.

Os jovens de jet ski atropelam os surfistas, que por sua vez, miram a
prancha pra abrir a cabeça dos banhistas.

O melhor programa pra quem vai à praia é chegar bem cedo, antes do
sorveteiro, quando o sol ainda está fraco e as famílias estão
chegando.

Muito bonito ver aquelas pessoas carregando vinte cadeiras, três
geladeiras de isopor, cinco guarda-sóis, raquete, frango, farofa,
toalha, bola, balde, chapéu e prancha, acreditando que estão de
férias.

Em menos de cinqüenta minutos, todos já estão instalados, besuntados
e prontos pra enterrar a avó na areia.

E as crianças? Ah, que gracinhas! Os bebês chorando de desidratação,
as crianças pequenas se socando por uma conchinha do mar, os
adolescentes ouvindo walkman enquanto dormem.

As mulheres também têm muita diversão na praia, como buscar o filho
afogado e caminhar vinte quilômetros pra encontrar o outro pé do
chinelo.

Já os homens ficam com as tarefas mais chatas, como furar a areia pra
fincar o cabo do guarda-sol.

É mais fácil achar petróleo do que conseguir fazer o guarda-sol ficar
em pé.

Mas tudo isso não conta, diante da alegria, da felicidade, da
maravilha que é entrar no mar!

Aquela água tão cristalina, que dá pra ver os cardumes de latinha de
cerveja no fundo.

Aquela sensação de boiar na salmoura como um pepino em conserva.

Depois de um belo banho de mar, com o rego cheio de sal e a periquita
cheia de areia, vem àquela vontade de fritar na chapa.

A gente abre a esteira velha, com o cheiro de velório de bode, bota o
chapéu, os óculos escuros e puxa um ronco bacaninha.

Isso é paz, isso é amor, isso é o absurdo do calor!!!!!

Mas, claro, tudo tem seu lado bom.

E à noite o sol vai embora.

Todo mundo volta pra casa tostado e vermelho como mortadela, toma
banho e deixa o sabonete cheio de areia pro próximo.

O shampoo acaba e a gente acaba lavando a cabeça com qualquer coisa,
desde creme de barbear até desinfetante de privada.

As toalhas, com aquele cheirinho de mofo que só a casa da praia
oferece.

Aí, uma bela macarronada pra entupir o bucho e uma dormidinha na rede
pra adquirir um bom torcicolo e ralar as costas queimadas.

O dia termina com uma boa rodada de tranca e uma briga em família.

Todo mundo vai dormir bêbado e emburrado, babando na fronha e
torcendo, pra que na manhã seguinte, faça aquele sol e todo mundo
possa se encontrar no mesmo inferno tropical...



--------------------------------------------------------------

Ate + .. o/
Bjão ...
 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

... Saudades ...


 SAUDADES

Eu tenho saudades de tudo que marcou a minha vida
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,
Quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,
Eu sinto saudades...

Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,
De pessoas com quem não mais falei ou cruzei...
Sinto saudades da minha infância,
Do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
Do penúltimo, e daqueles que ainda vou vir a ter,
Se Deus quiser...

Sinto saudades do presente, que não aproveitei de todo,
Lembrando do passado e apostando no futuro...
Sinto saudades do futuro, que se idealizado,
Provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...

Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei,
De quem disse que viria e nem apareceu;
De quem apareceu correndo, sem tempo de me conhecer direito,
De quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.

Sinto saudades dos que se foram
E de quem não me despedi direito,
Daqueles que não tiveram como me dizer adeus;
De gente que passou na calçada contrária da minha vida
E que só enxerguei de vislumbre;
De coisas que eu tive e de outras que não tive, mas quis muito ter;
De coisas que nem sei como existiram, mas que se soubesse,
De certo gostaria de experimentar;

Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que,
Não sei aonde,
Para resgatar alguma coisa que nem sei o que é
E nem onde perdi...

Vejo o mundo girando e penso que poderia estar
Sentindo saudades em japonês,
Em russo, em italiano, em inglês,
Mas que minha saudade,
Por eu ter nascido brasileira,
Só fala português embora, lá no fundo, possa ser poliglota.

Aliás, dizem que se costuma usar sempre a língua pátria,
Espontaneamente, quando estamos desesperados,
Para contar dinheiro, fazer amor e declarar sentimentos fortes,
Seja lá em que lugar do mundo estejamos.
Eu acredito que um simples "I miss you",
Ou seja, lá como possamos traduzir saudade
Em outra língua, nunca terá a mesma força
E significado da nossa palavrinha.

Talvez não exprima, corretamente,
A imensa falta que sentimos de coisas ou pessoas queridas.


E é por isso que eu tenho mais saudades...
Porque encontrei uma palavra para usar
Todas as vezes que sinto este aperto no peito,
Meio nostálgico meio gostoso,
Mas que funciona melhor do que um sinal vital
Quando se quer falar de vida e de sentimentos.

Ela é a prova inequívoca de que somos sensíveis,
De que amamos muito do que tivemos e lamentamos as coisas boas
Que perdemos ao longo da nossa existência...

Sentir saudade é sinal de que se está vivo!


------------------------------------------------

... Talvez hoje ...

 Talvez hoje

Talvez hoje ainda não saiba quem sou. Nem sequer quem quero ser. Ou se quero ser alguem.
Por querer ser mais, sem saber em quê.

Talvez hoje ainda não saiba se os caminhos por onde segui foram os melhores, nem sequer se os passos pequeninos que dei foram os erros maiores.

Talvez hoje ainda não saiba se o futuro tem fututro ou se o meu futuro é o segundo seguinte e que depois, termina. Ou começa.

Talvez hoje ainda não saiba se há algum patamar onde desejo chegar ou se vejo o mundo como algo demasiado pequeno para mim nas horas boas, ou grande demais nas outras.

Talvez hoje ainda não saiba que no olhar tudo mudou. Que vejo a vida muitas vezes com olhos que não são meus e que a vivo a esquecer o que sou, onde estou, onde fiquei ou onde me perdi... a desejar, entre um dia e outro, a ver de novo o mundo pelos meus olhos.

Talvez hoje já nem queira entender porque comecei a aceitar. Ou talvez apenas queira aceitar os outros e compreender-me. Mas tambem não sei... Se calhar, quando chegar o fim, vou olhar para trás, se tiver tempo e lucidez, e perceber que passei toda a vida enganada. Mas vou ter a certeza que nunca enganei ninguem...

Talvez hoje ainda não saiba qual o sentido da minha vida nem se a minha vida tem sentido algum. E às tantas deixei de pensar nisso.

Talvez hoje ainda não saiba porque sempre me custa desistir, baixar os braços. Porque é que, a esta altura, ainda me dói ver quem amo partir. E olho para trás, arriscando-me a ser transformada em estátua de sal, e analiso a vida. Tão dura... tão frágil...

Talvez hoje ainda não saiba que sim. Que as pedras no caminho, me permitiram construir o meu castelo. Que os dedos que me apontaram me fizeram mais forte, que as lágrimas que derramei, afinal, não foram em vão. Que a saudade é apenas um sentimento que nos faz chorar. Que é mais fácil levantarmo-nos quando nos dão a mão.

Talvez hoje ainda não saiba que os muros que pensei intransponiveis afinal, se derrubavam com um sopro e que nos dias de desânimo ganhei coragem para outros ainda piores e que as dores e traições me deixaram saborear dias de amor.

Mas hoje, nas duvidas constantes, tenho certezas presentes.
Esqueci o passado. Pouco me importa o futuro, mas no meu presente, aqui e agora enquanto escrevo, sinto aquela tranquilidade que tantas vezes procurei.
A leveza do espirito que voa livre, o coração ao largo. A paz.

Neste instante, sei apenas que sou feliz.
E não preciso saber mais nada.

-----------------------------------------------------------------

Ate + ... o/
Bjão ...
. . . . . .  . .

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

... Musicas em uma frase ...

Oieeee!!!
Mais uma semana chegando ai e eu aqui de novo ...
Parece combinação mas incrivel q eu sempre posto nos mesmos dias ...

E ja q ainda é cedo resolvi me ocupar de um jeito aqui no pc ...
Resumir as musicas em somente uma frase...
Pois é ... vamos ver se funciona ...



É o Tchan - Brincadeira de Tomada = Ele so encaixa, encaixa, remexe e agaixa ...
É o Tchan - Segura o Tchan = Um pau q nasceu torto, e que a guria naum vai naum, so segura o tchan e acaba gravida depois de 9 meses ...
Exaltasamba - Livre para voar = cara tarado q fala besteiras no telefone, mentiroso, q acha q é passarinho pra voar, mas que ainda quer a guria ...
Engenheiros do Havaii - Pra ser sincero = Esse não sabe o q quer, se contradiz a musica inteira, mas no fim garanto q ele quer mais q amizade ...
Engenheiros do Hawaii - Era Um Garoto Que Como Eu = Era guri feiu, rico, antisocial, que acabou morrendo na guerra, mas que ninguem se importou pq ele gostava de Beatles Rolling Stones...
Detonautas - Outro Lugar = ele so quer a guria pra aquilo e sempre perto, finge q ama, mas no fundo so quer ir pra outro lugar ...
Comunidade Ninjitsu - Martini = cara bebado,que usa e abusa do martini pra conseguir desencalhar ...
Comunidade Nin-Jitsu - LSD = Meninas drogada, nojenta e ao q td indica tbm é prostituta, mas q o cara quer ainda assim ...
Chimarruts - Versos Simples = pessoa q é pobre e chega sem nada nas mãos e ainda acha q vai conquistar desse jeito ...
Capital Inicial - Natasha = menina retardada e delinquente, que foge, bebada, mas q no fundo so quer dançar e de tão bebada q ela fica, ate os pneus do carro canta ...
Bidê ou Balde- Melissa = cara q fez um rock pra guria de olhos puxados e q tem falta de sol, q naum é publicitario e tem vó de Bagé, mas se ela quizer, ele aprende a dirigir, logo chegamos a conclusão q ele deve ser de menor ainda ...
Babado Novo - liririxa = alguma coisa cuja qual nem sabemos o que é, so q é um passo q é bom e q da uma reboladinha, em q o importante é acompanhar a parte romantica q diz assim: Lirirrixa, Timbaleia, Badala, badala, badala, Rucutum, tan, tan, tan ...
Banda Inala - Cowboy Viado = historia de uma cara provavelmente de goiania, q usa calça socada no rego, e acha q é macho mas todos sabem afinal q: SENTA EU SEI Q SENTA, ELE SENTA ...
Adriana Calcanhoto -Fiko assim sem você = pessoa q acaba ficando um bagaço sem a outra pessoa, ja q ela fica sempre da pior forma, e sempre acaba sem graça ...

Outro dia eu faço de mais ...
Agora deu preguiça, cansei ...
-----------------------------------------------------

ate +. ... o/
Bjão ...
. . . . . . .